Óleo de abacate e seus benefícios


>> Início :: Saúde e Beleza :: Óleo de abacate e seus benefícios



Óleo de abacate e seus benefícios

Óleo de Abacate

Fonte: Google Imagens

O abacate provém de uma árvore nativa da Guatemala denominada abacateiro.

A partir de sua popa é extraído um óleo rico em fito esteróis e com distintas propriedades benéficas para o organismo.Dentre as substâncias presentes no óleo do abacate estão a vitamina A, as lecitinas, o ácido oleico e as vitaminas E e D.

Óleo de abacate no cabelo:

Por possuir diversas vitaminas, tais quais A, B1, B12 e C,ácido oleico e minerais como o magnésio, cálcio e ferro.

O óleo de abacate penetra facilmente no cabelo e é capaz de reter a hidratação dentro da fibra capilar, além de recuperar o dano sofrido pelos fios.

Sendo assim, o óleo de abacate pode ser empregado em uma pré-lavagem, aonde se aplica o produto em toda a extensão dos cabelos secos, deixando agir por cerca de uma hora. Após esse processo deve-se lavar o cabelo normalmente, tomando cuidado para remover todo e qualquer resíduo do produto dos fios. Esse procedimento devolve o brilho e a vitalidade a cabelos ressecados equimicamente tratados.



Além disso, o óleo de abacate pode ser adicionado ao seu xampu, condicionador ou máscara de hidratação, potencializando e prolongando os efeitos benéficos destes produtos nos fios.

Além disso, o produto pode ser empregado sozinho quando aplicado nas pontas dos cabelos secos, o que evita a formação de pontas duplas, a ruptura do fio e principalmente do frizz.

Óleo de abacate na pele:

O Óleo de abacate contém altos níveis de substâncias antioxidantes, que combatem os radicais livres e estimulam a regeneração celular, evitando o aparecimento de rugas e minimizando o aspecto das já existentes.

O óleo de abacate melhora a elasticidade da pele e a produção do colágeno, sendo bastante utilizado para minimizar cicatrizes.

O uso do óleo de abacate também é recomendado para auxiliar na cicatrização de feridas e no tratamento de afecções de pele como a dermatite e a psoríase.














Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *