Turnover ideal – rotatividade – perda de qualidade


>> Início :: Dinheiro :: Turnover ideal – rotatividade – perda de qualidade



O Fantasma do Turnover

O “Turnover” – que em sua tradução para o Português significa movimentação, rotatividade, circulação, giro – é um Índice de Rotatividade muito utilizado ultimamente pelas empresas e que mede a entrada e saída das pessoas dentro da organização, sejam por quaisquer motivos, pedido de demissão, demissão sem justa causa, processo administrativo, aposentadoria.

Dizem que se foi o tempo em que ficar em uma empresa por dez ou vinte anos era motivo de orgulho. Com o mercado amplamente competitivo, a realidade do momento é outra, principalmente com a abertura de vários concursos públicos com atrativos salários e benefícios. As regras atuais ditam que bons profissionais buscam crescimento continuo e que caso não encontrem na empresa atual, busca-se em outra. Sim, estou mencionando inclusive o serviço público onde a admissão de pessoas é realizada por meio de concurso e/ou seleção pública.

As pessoas estão buscando, principalmente, locais éticos e que tenham plano de cargos, carreira e salários além de treinamentos para aprendizagem continua.

As empresas sejam elas privadas ou públicas, de um modo geral têm-se, equivocadamente, a idéia de que as pessoas são substituíveis mesmo porque é muito mais simples demitir um e admitir outro, esquecem-se que apenas trocam o nome do problema, pois era a “Ana” e agora será a “Maria”. Hoje se faz crescente a busca pelo colaborador ideal, aquele que trará ótimos resultados, de uma forma geral. Trabalhamos o conceito de Competências que é Conhecimento (saber, escolaridade, cursos técnicos, formação enfim), Habilidade (saber fazer, a experiência) e Atitude (Querer fazer e bem feito) – conhecido simplesmente como o CHA. Sabemos que contratamos pelo C e pelo H, porém demitimos pelo A. Não existe funcionário ideal, do mesmo modo que não existe empresa ideal. Sabemos que nos Concursos Públicos a avaliação é a mesma, confeccionamos provas que medem o saber técnico e/ou específico, contamos pontos com a formação (superior, pós, mestrado, doutorado) além do tempo de experiência (habilidade em fazer o trabalho), mas não temos como mensurar o comportamental, qual a Atitude que o funcionário terá ao ingressar na empresa contratante.



É fato que os clientes e fornecedores estranham quando a cada mês falam com um funcionário diferente na empresa, seja em qual nível hierárquico for. Somos seres relacionais, buscamos isso em toda a nossa vida, e o alto turnover dificulta esse vínculo de confiança.

Além do mais, a troca constante de funcionários significa a perda de conhecimento da empresa (domínio dos processos, perda de conexões com os clientes, negócio, mercado, rotina de trabalho, relacionamentos, trabalho em equipe, imaturidade profissional) e aumento nos custos com treinamentos. São perdas intangíveis e que demonstra que a saúde organizacional não anda nada bem.

As pessoas fazem a diferença em qualquer negócio, portanto, devem ser valorizadas.

O turnover pode ser controlado e gerenciado.

 














Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *